De quais feminismos estamos falando?

imprensa alternativa brasileira e as lutas por direitos

  • Maiara Garcia Orlandini Universidade Federal de Minas Gerais
  • Bruna Silva Martins de Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Thais Borges da Costa Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Democracia, Interseccionalidade, Imprensa feminista brasileira

Resumo

Buscando entender como as mulheres construíram seus repertórios para consolidar seu papel político, Viviane Gonçalves Freitas, no livro Feminismo na imprensa alternativa brasileira: Quatro décadas de lutas por direitos (2018), analisa os enquadramentos de quatro jornais alternativos feministas brasileiros. A partir da interseccionalidade entre gênero, raça e classe, a autora traça as agendas de lutas e discute sobre quais feminismos são tratados nos jornais Nós Mulheres (1976-1978), Mulherio (1981-1988), Nzinga Informativo (1985-1989) e Fêmea (1992-2014).

Biografia do Autor

Maiara Garcia Orlandini, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UFMG e membro do Grupo de Pesquisa em Mídia e Esfera Pública (EME) da UFMG. Bolsista Capes/INCT.

Bruna Silva Martins de Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UFMG e membro do Grupo de Pesquisa em Mídia e Esfera Pública (EME) da UFMG. 

Thais Borges da Costa, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais e membro do Grupo de Pesquisa em Mídia e Esfera Pública (EME) da UFMG.

Referências

ALVAREZ, Sônia. A “globalização” dos feminismos latino-americanos: tendências dos anos 90 e desafios para o novo milênio. In: ALVAREZ, Sônia; DAGNINO, Evelina; ESCOBAR, Arturo (org.). Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.
______. Engendering democracy in Brazil: women’s movement in transition politics. New Jersey: Princeton University Press, 1990.

BAIRROS, Luiza. Lembrando Lélia Gonzales. In: WERNECK, Jurema; MENDONÇA, Maisa; WHITE, Evelyn C. (org.). O livro da saúde das mulheres negras: nossas passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas: Criola, 2000, p.42-61.

BIROLI, Flávia. Responsabilidade, cuidado e democracia. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v.18, p.81-117, 2015.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v.17, n.49, p.117-132, 2003

COHEN, Jean L. Repensando a privacidade: autonomia, identidade e a controvérsia do aborto. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.7, p.165-203, 2012.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v.31, n.1, p.99-127, jan./abr. 2016.

COSTA, Claudia de Lima. Histórias / estórias entrelaçadas do(s) feminismo(s): introdução aos debates. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.17, n.1, p. 207-212, 2009.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FRASER, N. Repensando la esfera pública: una contribución a la crítica de la democracia actualmente existente. Revista Ecuador Debate, Quito-Ecuador, n.46, p.139-173, abr. 1999

GODARD, Barbara. Feminist periodicals and the production of cultural value: the Canadian context. Women’s Studies International Forum, Oxford; New York, v.25, n.2, p.209-223, 2002.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira. In: LUZ, Madel T. (ed.) O lugar da mulher. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

______. Mulher negra. Afrodiáspora, Brasília, v.6 e 7, n.19, p.94-106, 1985.

______. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, p.223-244, 1984.

HABERMAS, Jürgen. Mudança Estrutural da Esfera Pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

______. Direito e Democracia: entre a Facticidade e a Validade. v. 1. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

______. Ética do Discurso. v.3. Lisboa: Edições 70, 2014.

HOOKS, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.16, p.193-210, 2015.

HOOKS, bell. Intelectuais negras. Estudos Feministas, v. 3, n. 2. Portal de Periódicos
UFSC, 1995. Disponível em: article/view/16465/15035>

OKIN, Susan Moller. Gênero, o público e o privado. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.2, n.16, p.305-332, 2008.

PATERMAN, Carole. Críticas feministas à dicotomia público/privado. In: MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (org.). Teoria política feminista:textos centrais. Vinhedo: Horizonte, 2013, p.55-79.

PATERMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento; Justificando, 2017.

VELASCO, Mercedes Jabardo. Introducción. Construyendo puentes: em diálogo desde/com el feminismo negro. In: JABARGO, Mercedes (ed.). Feminismos negros: uma analogia. Madrid: Traficanes de Sueños, 2012, p.27-56.

WOITOWICZ, Karina Janz. A resistência das mulheres na ditadura militar brasileira: imprensa feminista e práticas de ativismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v.11, n.1, p.104-177, 2014.
Publicado
2019-09-15
Como Citar
Orlandini, M., Oliveira, B., & Costa, T. (2019). De quais feminismos estamos falando?. Compolítica, 9(2), 141-158. https://doi.org/https://doi.org/10.21878/compolitica.2019.9.2.296
Seção
Resenhas